quinta-feira, 10 de julho de 2014

Cheirando a peixe...Um grato prazer!

Hoje eu amanheci naquele dia que sentimos uma vontade absurda de nos expressar através das palavras. Enquanto eu digito meus pensamentos e converso com vocês, estou escutando no meu radinho chinês(os chineses irão dominar o universo, sério! rs.)minha DIVA Ana Carolina. Está tocando "A canção tocou na hora errada".Amo demais essa música, em especial. E aí tive que interromper a escrita porque Carolzinha acabou de chegar aqui do meu lado dizendo:Mamãe, tô carente, preciso de carinho. Como não se emocionar pessoas? Mas me largou porque disse que tô com cheiro de peixe,rsrs...É a partir desse cheiro que gostaria de começar esse bate papo. Nunca fui fã de ser dona de casa. Sou filha caçula de quatro irmãos. Três irmãs e um irmão, nos quais, amo profundamente. Minha irmã mais velha, a Katinha, sempre me protegeu. Acho que ela brincava de boneca viva comigo,rs...Me protegia de tudo e todos na infância. Sempre que eu era chamada na cozinha pela minha mãe(saudade eterna)pra cozinhar, seja um arroz, um feijão, lá vinha a Katinha me proteger e dizia: mana, corta só os temperos que eu faço. Desde então, me tornei a "cortadora" oficial de temperos na minha casa e "provadora" dos pratos já que tenho um paladar bom pra saber se tá ensonso ou salgado demais. Olha que chic! :) Qual foi meu saldo com isso? Nunca curtir muito cozinhar, só de cortar os temperos. Diga-se de passagem sou uma exímia cortadora viu? corto uma cebola tão pequenina como ninguém. Tanto que sempre me dão o ofício de fazer o vinagrete. Aprendi a fazer o básico na cozinha. Até que minha comida é gostosinha. Mas confesso que nunca morri de amores ficar cozinhando e morria de preguiça só de pensar que tinha que cozinhar. Sempre teve alguém pra cozinhar pra mim. Mas de uns tempos para cá, tudo mudou!! Tenho sentido um prazer tão grande em cozinhar. Sentir a textura dos alimentos; sentir o cheiro, temperá-los e depois ver o resultado final. E principalmente, ouvir da minha Carolzinha(minha filha de 7 anos): Mamãe, tá tão gostoso!! Já sei, a senhora colocou pitadas de amor né? Sim, sempre que cozinho e ela me pergunta o que coloquei naquele alimento eu respondo: Filha, coloquei pitadas de amor, por isso está tão gostoso. É interessante que essa mudança de percurso não se deu somente na vontade de fazer novos pratos, mas cuidar do meu lar. Ver tudo arrumadinho e cheiroso. Acho que tem a ver com minha forma de olhar o mundo, olhar pra mim e para pessoas. Creio que tem a ver com o amadurecimento pessoal e a valorização de certas coisas e pessoas na minha vida. Não irei entrar em detalhes de autoafirmação como mulher, emancipação feminina, nada disso. Apenas o prazer em fazer algo que um dia eu não era nada fã mesmo. Fazia por obrigação. Por fim, queria dizer que o NUNCA é muito tempo. Você pode mudar de ideia, vontades e aprender a ter prazer em coisas que um dia você detestava. Creio que o sentimento chave é o AMOR. Quando está presente em nossas vidas, nas coisas que realizamos, tudo fica mais saboroso, mais bonito e menos "fardoso". Me sinto feliz sendo dona de casa agora. Mesmo sentindo a necessidade absurda de ser profissional. Acho que encontrei um novo caminho, dentre tantos que temos o direito de escolher. E você, já escolheu o seu? Agora vou concluir meu peixinho e colocar a última pitada pra ele ficar bem saboroso... AMOR! Beijocas PS: Jura que você ainda não me segue aqui ou no YT? Cadê a solidariedade "CAZAMIGASTUDO"? Poxa!!! Segue aê!! :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Cheirando a peixe...Um grato prazer!

Hoje eu amanheci naquele dia que sentimos uma vontade absurda de nos expressar através das palavras. Enquanto eu digito meus pensamentos e converso com vocês, estou escutando no meu radinho chinês(os chineses irão dominar o universo, sério! rs.)minha DIVA Ana Carolina. Está tocando "A canção tocou na hora errada".Amo demais essa música, em especial. E aí tive que interromper a escrita porque Carolzinha acabou de chegar aqui do meu lado dizendo:Mamãe, tô carente, preciso de carinho. Como não se emocionar pessoas? Mas me largou porque disse que tô com cheiro de peixe,rsrs...É a partir desse cheiro que gostaria de começar esse bate papo. Nunca fui fã de ser dona de casa. Sou filha caçula de quatro irmãos. Três irmãs e um irmão, nos quais, amo profundamente. Minha irmã mais velha, a Katinha, sempre me protegeu. Acho que ela brincava de boneca viva comigo,rs...Me protegia de tudo e todos na infância. Sempre que eu era chamada na cozinha pela minha mãe(saudade eterna)pra cozinhar, seja um arroz, um feijão, lá vinha a Katinha me proteger e dizia: mana, corta só os temperos que eu faço. Desde então, me tornei a "cortadora" oficial de temperos na minha casa e "provadora" dos pratos já que tenho um paladar bom pra saber se tá ensonso ou salgado demais. Olha que chic! :) Qual foi meu saldo com isso? Nunca curtir muito cozinhar, só de cortar os temperos. Diga-se de passagem sou uma exímia cortadora viu? corto uma cebola tão pequenina como ninguém. Tanto que sempre me dão o ofício de fazer o vinagrete. Aprendi a fazer o básico na cozinha. Até que minha comida é gostosinha. Mas confesso que nunca morri de amores ficar cozinhando e morria de preguiça só de pensar que tinha que cozinhar. Sempre teve alguém pra cozinhar pra mim. Mas de uns tempos para cá, tudo mudou!! Tenho sentido um prazer tão grande em cozinhar. Sentir a textura dos alimentos; sentir o cheiro, temperá-los e depois ver o resultado final. E principalmente, ouvir da minha Carolzinha(minha filha de 7 anos): Mamãe, tá tão gostoso!! Já sei, a senhora colocou pitadas de amor né? Sim, sempre que cozinho e ela me pergunta o que coloquei naquele alimento eu respondo: Filha, coloquei pitadas de amor, por isso está tão gostoso. É interessante que essa mudança de percurso não se deu somente na vontade de fazer novos pratos, mas cuidar do meu lar. Ver tudo arrumadinho e cheiroso. Acho que tem a ver com minha forma de olhar o mundo, olhar pra mim e para pessoas. Creio que tem a ver com o amadurecimento pessoal e a valorização de certas coisas e pessoas na minha vida. Não irei entrar em detalhes de autoafirmação como mulher, emancipação feminina, nada disso. Apenas o prazer em fazer algo que um dia eu não era nada fã mesmo. Fazia por obrigação. Por fim, queria dizer que o NUNCA é muito tempo. Você pode mudar de ideia, vontades e aprender a ter prazer em coisas que um dia você detestava. Creio que o sentimento chave é o AMOR. Quando está presente em nossas vidas, nas coisas que realizamos, tudo fica mais saboroso, mais bonito e menos "fardoso". Me sinto feliz sendo dona de casa agora. Mesmo sentindo a necessidade absurda de ser profissional. Acho que encontrei um novo caminho, dentre tantos que temos o direito de escolher. E você, já escolheu o seu? Agora vou concluir meu peixinho e colocar a última pitada pra ele ficar bem saboroso... AMOR! Beijocas PS: Jura que você ainda não me segue aqui ou no YT? Cadê a solidariedade "CAZAMIGASTUDO"? Poxa!!! Segue aê!! :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário